Seu namoro é ecológico o bastante?

Namoro-Verde

Faz 12 anos do nosso primeiro amo você. De lá para cá, essa frase se tornou quase diária, mas nunca perdeu a capacidade de transformar dias chuvosos em sol na praia, tensão em aconchego, choro em gargalhada.

O amor mudou a nossa cor, deixou a gente mais verde. Ainda que você continue um carnívoro invicto, eu sigo tentando vegetarianar. E nós dois aprendemos a poupar.

Porque copo de requeijão ainda é copo, e copo lascadinho vira vaso. Aquela xícara que eu derrubei da mesa quando te beijava foi parar no fundo de um vaso de orquídea. A bandejinha de isopor onde veio o queijo que usamos naquele café da manhã tardio, depois de virar a noite revisando seu livro, rendeu uma caixinha linda para guardar meias. E o pouco de papel que ainda imprimimos sempre termina numa esculturinha de papel machê, como aquela cabrocha que eu te fiz.

A gente gasta mais as coisas, também. Não consigo me desfazer daquele sutiã que você adora, ainda que o coitado esteja quase puindo. E você usa tanto o blazer bege que ele já decorou o caminho do trabalho – mas como você fica lindo nele!

Nada que se compare a como a gente gasta lençol. E colchão. E travesseiro. Fazendo coisas picantes ou simplesmente estando juntos, jornal, revistas, café na cama, laptop aberto, curtindo a companhia um do outro, em silêncio. Nem dá pra acreditar que eu consiga ficar quieta por tantas horas, logo eu, que falo pelos cotovelos. E escrevo demais. E amo. Exageradamente. E cada vez mais, a cada fio verde que vejo surgir em você.

Como as árvores viajam

Imagem

 

Minha avó foi uma cigana moderna: morou em mais cidades do que ouvi falar em todas as aulas de Geografia do Ensino Médio. Viajar para visitá-la era tão freqüente na minha família que eu quase nasci em um trem a caminho de Piracicaba. Mulher de temperamento solar e liberto, ela se cansava das casas com a mesma velocidade que enjoava dos maridos – foi casada três vezes, um escândalo para a época.
 
“Sua madrinha vai mudar outra vez!”, comentava minha mãe, desapontada, ao fim de um telefonema para São Sebastião, Rio das Pedras, São Paulo, Ilhabela. Nas casas de minha avó sempre havia caixas pelos cantos – algumas iam de um CEP para outro sem jamais serem abertas. Perdi a conta de quanto dinheiro ela gastou com rescisões de contrato de aluguel. Dona Vera simplesmente não criava raízes.
 
Foi dessa mulher franzina, mas poderosa, que herdei o gosto por viajar – além de uma preguicinha básica para cozinhar. Eu e meu marido não temos salários de cinco dígitos, então, uma rigorosa programação antecede nossas viagens. Como não temos filhos, as pessoas costumam achar que a única coisa com que nos preocupamos é em fazer as malas. Quem me dera!
 
Tenho quatro gatos e 151 vasos de orquídeas, sem falar na jabuticabeira, na árvore-da-felicidade, no manacá-de-cheiro, na cerejeira japonesa e num animado filodendro, para citar as plantas mais beberronas de água. Alimentar essa fauna e flora não é moleza: os gatos consomem 4 kg de ração por mês e as verdinhas são regadas diariamente – sim, faça chuva ou faça sol, já que a água que cai do céu mal dá conta de umedecer a terra do canteiro.
 
Vivo buscando truques para manter bichos e plantas bem cuidados mesmo que à distância. E criei gosto por viagens “verdes”, aquelas onde a paisagem e o contato com a natureza valem o passeio. Aos poucos, descobri que é possível, sim, fazer turismo sem abrir mão de nossos valores e do respeito pelo planeta.

Lá no Jardim Eterno, Dona Vera talvez se anime em saber que sua neta virou uma viajante com raízes.

Como acabar com lagarta nas plantas de forma natural

Lagartinha1. Identifique a planta atacada procurando no chão por bolinhas pretas, os cocôzinhos da lagarta – se a planta estiver num vaso isso será mais fácil. Investigue as folhas bem de perto em busca de uma coisa verde que se mexe. Ponha luvas se a coisa for preta, vermelha ou peluda. (Se for peluda, marrom e imóvel, pare de tentar puxar o caule da samambaia). Segure a lagartinha delicadamente com os dedos em pinça e coloque-a em um potinho com tampa furada. Procure se lembrar que aquela coisa agitada e pegajosa logo se tornará uma borboleta, que polinizará suas flores e trará vida a seu jardim.

2. Pegue a coisinha verde e mole que parou de mastigar para não ser vista e, com jeitinho, ponha a pequena faminta junto com a amiguinha. Providencie uma folha de repolho para as duas prisoneiras. Limpe o cocô da vasilhinha e certifique-se de ter rosqueado bem a tampa. Mentalize que os dois insetinhos logo virarão casulos e pararão de comer e soltar excrementos.

3. Segure com firmeza a lagarta que começou a comer mais depressa para garantir a refeição, duas folhas acima. Pragueje baixinho enquanto tenta colocá-la no potinho ao mesmo tempo em que impede que as outras duas fujam. Limpe o cocô e acrescente duas folhas de repolho. Afaste da mente a imagem de saírem mariposas e não borboletas dos malditos casulos.

4. Vire a planta do avesso para encontrar três lagartas escondidas atrás dela. Sacuda a folha até que as fiadumaégua caiam numa bacia. Passe as lagartas anteriores para a bacia e lacre a tampa com cola quente, lembrando-se antes de jogar couve e um repolho inteiro para as pestes. Procure na internet alternativas para polinizar as plantas sem borboletas ou mariposas.

5. Descarte suas luvas cobertas de baba verde e coloque luvas novas. Anote num papel para comprar repolho e couve na feira. Limpe o cocô das pestes com uma pá enquanto abre espaço na bacia para arremessar o que sobrou de uma folha com uma gangue inteira de taturanas assassinas. Solte um palavrão. Peça ajuda a um amigo de sangue-frio e coração mole para retirar da parede as lagartas que fugiram enquanto você adicionava as mais recentes. Solte outro palavrão, mais comprido, enquanto tenta se recordar de como era seu jardim antes do ataque das pragas do Egito. Procure o telefone da Vigilância Sanitária e cheque no pet shop se há sapos à venda.

6. Coloque luvas novas enquanto vai até a casa do vizinho tirar das plantas dele as lagartas que fugiram pelo muro. Chame um serralheiro para soldar o contêiner de metal com as lagartas dentro, não sem antes atirar ali cinco repolhos, oito couves e dez maços de brócolis. Ignore as risadinhas delas. Ligue no Instituto de Biologia da Faculdade de Ciências Naturais mais próxima e pergunte quantas semanas levam para as lagartas do capeta encasularem. Experimente oferecer uma propina para eles levarem o conteiner pra faculdade. Em caso negativo, satisfaça-se com a ideia de que gafanhotos fariam um estrago ainda pior.

7. Assim que os casulos abrirem, pegue sua bicicleta e leve as abomináveis mariposas para um passeio a pelo menos 10 km da sua casa. Solte-as num local com muitos pássaros. E sapos. Volte com a alma leve por não ter poluído nem o ar nem a água com nenhum pesticida e por cultivar seu adorável jardim de forma sustentável. Solte um sonoro xingamento ao chegar em casa e encontrar uma lesma na sua begônia preferida.

Próximos textos:
– Como acabar com lesma de forma natural
– Como acabar com lagarta nem que seja preciso usar armas químicas de destruição em massa

Da arte de alimentar uma planta-carnívora

Comida Eustaquio

– Carol, o que é aquele pacotinho que está na geladeira?
– Hmmm…
– Carol?
– Tô aqui fora!
– O que é que você tá fazendo aí no chão?
– Pegando o almoço do Ták.
– De quem???
– Do Eustáquio.
– Eustáquio?
– Isso. O que você perguntou?
– Tem um pacotinho na geladeira…
– Não mexe na comida dele!
– Comida? Mas é um pacotinho tão pequeno… Tem o quê dentro, uma ervilha?
– Bem que eu queria que fosse… Mas ele não é vegetariano.
– Carol, me desculpe, mas o que é mesmo que você está fazendo?
– Pegando o almoço do Eustáquio. É difícil, elas fogem de mim. E eu não quero matar ninguém. Ele precisa delas vivas. Só que como ainda é pequeno, não consegue comer muito rápido e a comida foge. Por isso, eu botei uma na geladeira, para deixá-la meio grogue. É quase como se ela estivesse anestesiada. Assim é menos cruel.
– Tem formigas na geladeira?!?
– Só uma. Não entre em pânico, eu fechei bem o pacotinho.
– Tem uma formiga viva na geladeira?
– Meio dormindo.
– Eu nunca trabalhei para alguém que guarde formigas vivas em pacotinhos na geladeira para alimentar uma planta-carnívora!
– Tem sempre uma primeira vez…
– Eu quero um aumento.

3 usos espertos para as bandejas de isopor

Bandejinha_Isopor

Vamos combinar, elas poluem. São feias. E frágeis. E não ficam bem de pratinho pra vaso, não. Tentei pintar algumas, mas, com a umidade, a tinta sai. Eu continuaria a ter 37 detestáveis bandejinhas de isopor não fossem dois brilhantes acasos.

Fui comprar queijo no mercado central e o vendedor usou pedaços de bandejinha para cobrir as áreas expostas de uma fatia de brie. Como esse queijo endurece em contato com o ar, o isopor “cola” nele e protege o corte, mantendo a cremosidade. Fiz o teste com outros queijos moles e posso garantir que eles duram mais na geladeira.

O segundo uso é bem mais, digamos, popular (a menos que você tenha uma fábrica de brie, é claro). Ao montar um vaso para receber uma planta, faça a drenagem com cacos de isopor em vez de argila expandida. Eles deixam o vaso mais leve e não atraem nenhum tipo de praga. A única observação é que não tampem completamente os furos do vaso, até porque o isopor vai ficando mais compacto com o tempo e pode entupir a saída de água. Resolva isso arrumando os pedaços de isopor de modo a deixarem vãos estratégicos perto dos furos. Aliás, orquídeas de árvore – como a Phalaenopsis aí da foto – adoram substrato leve, então, você pode misturar pedaços de isopor aos cacos de carvão, casca de pinus e chips de coco (que compõem o substrato misto mais comum).  Tenho usado tanto isopor nas minhas plantas que acabei em menos de um mês com a coleção de bandejinhas.

O terceiro uso? Render um post ecológico não vale?

6 dicas para cuidar de tulipas

Tulipa Dicas

É só chegar o inverno para supermercados e floriculturas se encherem de tulipas, consideradas, por muitos, as mais belas flores. Se você comprou ou ganhou um vaso dessas mocinhas, saiba que elas são europeias, plantas típicas de frio. As que são vendidas aqui no Brasil são cultivadas em estufas climatizadas e, quando transportadas, vão num caminhão refrigerado, porque mesmo nosso inverno não lhes agrada. Dito isso, não se chateie se, mesmo com os cuidados abaixo, a sua planta não brotar novamente, tá? Vamos a eles:

Como cuidar enquanto o vaso estiver com flor
1. Mantenha a terra sempre úmida, nunca encharcada — água em excesso atrai fungos e bactérias.
2. Deixe o vaso dentro de casa, de preferência num local arejado, perto de uma janela ensolarada.

Como cuidar quando a flor morrer
1. Ela pode perder ou não as folhas depois da floração, mas mesmo que ainda tenha folhagem, corte-a e desenterre a planta. Você vai encontrar uma espécie de “cebola”, o bulbo.
2. Lave o bulbo em água corrente, esfregando para tirar a terra, como você faria com uma batata antes de descascá-la.
3. Deixe o bulbo secar bem, enrole-o de leve em papel-toalha e guarde-o no gavetão de legumes da geladeira. Quando o próximo outono chegar, plante-o num vaso com terra, areia e composto orgânico em partes iguais. Cubra o bulbo com uns 5 cm dessa mistura.
4. Deixe o vaso no sol e regue para manter úmido. Com sorte, o bulbo brotará e, no próximo inverno, você terá novas tulipas.

Suculentas: manual de instruções

Suculentas_Instrucoes

Se os camelos fossem vegetais, seriam da família das suculentas. Essas plantas conseguem viver bem, obrigado, mesmo nos desertos e ambientes muito secos e quentes. Para realizar essa façanha, as suculentas usam o mesmo recurso dos camelos e dromedários: armazenam água em grande quantidade.

É graças às folhas gordas e cheias de líquido que elas agüentam passar o dia todo sob sol a pino e ainda ficar tão lindas quanto uma orquídea saída de uma estufa.

Mas esse não é o único truque dessas plantas típicas da África e que têm mais de 12.000 espécies pelo mundo. Irmãs dos cactus, elas costumam ter espinhos ou uma penugem nas folhas, que retém o máximo de umidade possível. As que têm folhas “peladas” usam outro recurso para ter o mesmo efeito: são cobertas por uma cera grossa, que lhes dá um aspecto lustroso e evita a evaporação da água. Plantinhas espertas, né?

Um lugar ao sol
Como são originárias de regiões muito quentes, a maioria das suculentas gosta de sol pleno e pouca água. Se estiverem plantadas em vaso, regue duas vezes por semana ou sempre que sentir que a terra está seca. Nunca deixe água no prato: elas não gostam de ficar com os “pés” molhados. Já as suculentas plantadas diretamente no chão requerem mais regas porque a evaporação é mais rápida.

As esquecidas
Algumas espécies, como as populares flor-de-maio e onze-horas, ficam lindas em vasos presos no teto. Mas lembre-se de regá-lo: como essas plantas estão no alto, é comum acabarem esquecidas e morrerem à míngua. Sem água nem cuidados, nem mesmo uma planta-camelo consegue sobreviver.

Novinha em folha
Esqueça todas aquelas complicações de estacas e sementes: suculentas são tão fáceis de propagar que costumam fazer isso tão rápido quanto coelhos. Quando uma folha cai no chão, rapidamente cria raízes e, tchanam!, surge outra muda. Assim mesmo, como mágica. Se quiser você mesma brincar de jardineira, tire algumas folhinhas da sua suculenta, deixe secar por um ou dois dias (para que o machucado cicatrize e seque, em vez de umedecer e pegar fungos) e só depois coloque a pontinha quebrada na terra. Continue regando normalmente. Logo surgirão raízes e folhas novas.

Uma grande família
Você pode reunir em um único vaso mais de uma espécie, já que a maioria das suculentas têm os mesmos gostos por água, calor e ventilação. O vaso não precisa ser muito profundo também, uma vez que as raízes delas não são compridas (com exceção para alguns cactos de grande porte). Agrupe as plantas de forma que as suculentas maiores não façam sombra nas menores. Se for preciso, vire o vaso de tempos em tempos para proporcionar um crescimento por igual.

Flor de pedra
Chama-se Echeverias o gênero ao qual pertencem as suculentas cujas folhas fazem uma grande flor, semelhante à uma mandala. De coloração cinza esverdeada ou azulada, essa espécie é conhecida também como rosa-de-pedra e se dá muito bem em vasos. Quando for molhá-las, evite derramar água nas folhas. Como bem diz o ditado, água mole em pedra dura tanto bate…

Sob a sombra das Árvores

Informações e assuntos sobre árvores, arborização, paisagismo e meio ambiente para profissionais e amantes da natureza.

Viveiro Orgânico de Ervas e Temperos Sabor de Fazenda

Dicas de plantio, adubação, regas, podas e muito mais

De Verde Casa

Porque a gente gosta de sujar as mãos de terra, digo, de substrato.

Blog das Orquídeas

Porque a gente gosta de sujar as mãos de terra, digo, de substrato.

Sturm und Drang!

Porque a gente gosta de sujar as mãos de terra, digo, de substrato.

Ladybug Brasil

Porque a gente gosta de sujar as mãos de terra, digo, de substrato.

Com Limão

Porque a gente gosta de sujar as mãos de terra, digo, de substrato.

Faça a sua parte

Porque a gente gosta de sujar as mãos de terra, digo, de substrato.

Porque a gente gosta de sujar as mãos de terra, digo, de substrato.

Cactos e Suculentas

Porque a gente gosta de sujar as mãos de terra, digo, de substrato.

Horta das Corujas

Horta Comunitária na Vila Beatriz, SP

Árvores de São Paulo

Verde urbano, árvores e resgate da biodiversidade nativa na metrópole

Orquídeas no Apê

Porque a gente gosta de sujar as mãos de terra, digo, de substrato.

Jardim da Grasi

Porque a gente gosta de sujar as mãos de terra, digo, de substrato.

coisasdeneuzinha

Porque a gente gosta de sujar as mãos de terra, digo, de substrato.